Notícias Nacionais

Face ao desenvolvimento da situação pandémica, e considerando que a situação é ainda para manter cuidados, DGS reduz medida de distanciamento físico nos espaços de culto.

A 29 de maio de 2020, dois meses e meio depois do aparecimento dos primeiros casos de Covid-19 em Portugal, a Direção-Geral de Saúde emitia a sua Orientação 29/2020, referente à celebração de cerimónias religiosas. Foi segundo este conjunto de orientações que as diferentes comunidades religiosas reiniciaram as suas celebrações presenciais, no fim de semana de 30 e 31 de maio do ano passado.

Acompanhando o desenvolvimento e participando na preparação desse documento, a UPASD votou e aplicou o seu Plano de Reabertura dos Espaços de Culto, que tem vindo a ser atualizado em consonância com a situação pandémica e com as alterações sucessivas à legislação que influenciavam a vida da Igreja e da sua comunidade de crentes.

Nos últimos meses, a Igreja Adventista do Sétimo Dia, reconhecendo a eficácia e a experiência na gestão da contingência pelas comunidades religiosas nos seus espaços de culto, a alteração da realidade no combate ao vírus trazida pela vacinação e a abertura gradual da sociedade noutras atividades, tinha vindo a requerer a revisão do distanciamento nas celebrações religiosas, no sentido da sua diminuição. Este pedido relacionava-se com a noção de que o distanciamento existente se mostrava já desnecessariamente limitativo da presença de mais crentes nos espaços de culto, quer em comparação com outras atividades, quer considerando a eficácia das orientações noutras medidas, nomeadamente o uso da máscara. Esta posição foi publicamente emitida, também, pela Comissão da Liberdade Religiosa, inclusivamente pelo seu Presidente, Dr. José Vera Jardim, na celebração do vigésimo aniversário da Lei da Liberdade Religiosa.

A referida Orientação 29/2020 foi revista a 6 de agosto último.

Tal revisão mantém os seus pontos principais, mas traz a novidade da redução do distanciamento mínimo entre pessoas que não coabitam de 2 metros para 1,5 metros.

Esta redução permite o aumento do número de crentes nos espaços de culto, mantendo uma distância segura, tornando-se especialmente relevante nos espaços de culto com bancos corridos. A Orientação reafirma ainda as medidas básicas de contingência face à Covid-19, nomeadamente o uso de máscara, a etiqueta respiratória, a desinfeção das mãos, o arejamento e a higienização dos espaços e a sinalização de circulação para entrada e saída do espaço de culto.

A Igreja Adventista congratula-se com o sentido desta revisão e manifesta a sua confiança no seu Plano próprio, que desde o início se tem revelado eficaz na manutenção da segurança sanitária nos seus espaços de culto, sempre tendo em vista a comunhão entre os crentes e, acima de tudo, o espírito de adoração e louvor ao Senhor.

Departamento de Assuntos Públicos da UPASD