Notícias Internacionais

Uma igreja Adventista na Jamaica anunciou ter planos para estabelecer a sua primeira igreja para surdos e duros de ouvido como parte de uma iniciativa mundial Adventista para alcançar uma comunidade frequentemente negligenciada.

A igreja localizar-se-á em Portmore, uma cidade perto da capital da ilha Caribenha, Kingston, local que foi escolhido depois de consultas com a Associação jamaicana para os Surdos, disse Adrian Cotterell, que é o responsável pelo ministério das necessidades especiais na União Jamaicana dos Adventistas do Sétimo Dia.

“Sabemos que a maior concentração de surdos e pessoas com deficiências auditivas é na área de Portmore, e pela graça de Deus vamos ter aqui uma igreja vibrante,” disse Cotterell ao anunciar os seus planos durante o Dia Inaugural para os Surdos e Duros de Ouvido organizado pela União Jamaicana na Igreja Adventista de Portmore no dia 9 de Julho.

A igreja deverá abrir no início de Outubro. A Igreja Adventista tem 294,894 membros na Jamaica, incluindo 18 que são surdos na área de Portmore.

A igreja Adventista mundial está a colocar uma nova ênfase nas necessidades especiais com a nomeação de Larry R., no Outono passado, como assistente especial ao presidente da Conferência Geral, responsável por dar os primeiros passos para incluir aqueles que têm incapacidades na missão da igreja. Os líderes da igreja regional repararam nisso e, por exemplo a Divisão Sul Americana, organizou um conjunto especial de séries evangelísticas que foram transmitidas em direto no Facebook e no YouTube o mês passado. O programa de quatro dias atraiu mais de 30,000 visualizadores surdos no Brasil e noutros lugares.

Como Começou Esta Ideia da Igreja

Na Jamaica, Cotterell disse que partilhou a ideia para a nova igreja com o presidente da União Jamaicana, Everett Brown, enquanto planeava o Dia para os Surdos. Brown, disse ele, expressou imediatamente o seu entusiasmo, e pouco tempo depois começou o processo de pesquisa e planificação.

A igreja para surdos será um esforço de colaboração entre a União da Jamaica e a união central das conferências regionais orientais.

As barreiras de comunicação com os membros surdos na Jamaica dificultaram o seu envolvimento na vida da igreja conforme gostariam, disse Cotterell, que também serve como diretor da Escola Sabatina e Ministério Pessoal na União da Jamaica. Isto afetou negativamente o seu crescimento espiritual, disse ele.

O Dia para os Surdos foi organizado como um ponto de partida para fazer a ponte entre os membros regulares e aqueles que têm incapacidades e também como rampa de lançamento para a evangelização na comunidade dos que têm incapacidades auditivas.

Representantes governamentais e não-governamentais, assim como pessoas com incapacidades, assistiram ao serviço de culto, apoiando a missão.

A Ministra do Trabalho e da Segurança Social, Shahine Robinson, sublinhou a importância de nos certificarmos que os incapacitados sejam capazes de fazer parte da vida quotidiana.

“Queremos que funcionem com um sentido de orgulho, dignidade e autoestima,” disse Robinson.

Mais de 30,000 pessoas na Jamaica sofrem de alguma forma de deficiência auditiva, de acordo com a Associação jamaicana para os Surdos. A Jamaica tem uma população de 2.7 milhões de pessoas.

2 Sermões Especiais

No seu sermão, Brown usou a história do homem cego registado em João 9 e a história do Bom Samaritano em Lucas 10 para ilustrar a resposta Cristã adequada aos que têm necessidades especiais.

“Eles sabem que somos Cristãos através do nosso amor, não por causa da roupa que vestimos ou pela forma de pregarmos ou adorarmos, mas através da nossa preocupação pelas pessoas, mostrando compaixão, bondade, paciência, respeito e amor”, disse Brown. “Valorizar a dignidade das pessoas independentemente do seu estado na vida é o verdadeiro teste ao nosso caráter enquanto Cristãos.”

Um segundo sermão — feito em linguagem gestual e através de um intérprete — foi feito por Jeff Jordan, um pastor surdo do estado Americano da Geórgia que foi recentemente nomeado como coordenador associado honorário para o ministério dos surdos da igreja mundial Adventista. Jordan enfatizou o valor que Deus coloca nos surdos e encorajou quer surdos quer quem ouve a aceitar Jesus.

Numa entrevista, Jordan aplaudiu o ministério às necessidades especiais que foi lançado pela Conferência Geral e a União Jamaicana, e encorajou cada membro de igreja a aprender linguagem gestual para remover as barreiras de comunicação entre aqueles que ouvem e os surdos.

Ivareen Burton, uma das várias pessoas surdas e com deficiências auditivas da comunidade que assistiram ao serviço de culto, disse que já antes tinha visitado igrejas Adventistas diversas vezes mas que tinha apreciado especialmente este culto.

“Gostei muito de ouvir o pastor surdo,” disse ela. “Contou-nos a sua história de vida, o que foi bom. Também foi realmente inspirador quando os surdos cantaram. Gosto quando os que ouvem e os surdos conseguem juntar-se e ministrar desta forma.”

Ad7 Notícias | Rede Adventista de Notícias