Notícias Internacionais

Com a aproximação do 500° aniversário da Reforma Protestante, a Igreja Adventista do Sétimo Dia de Itália liderou com êxito uma petição para que a cidade de Roma reconhecesse Martinho Lutero, o precursor da Reforma Protestante.

Em 31 de outubro de 1517, Lutero, um monge alemão, fixou as suas 95 teses na porta da igreja de Wittenberg, e este seu ato lançou os alicerces para o maior cisma que alguma vez sacudiu o cristianismo ocidental.

Lutero recebe, em 3 de janeiro de 1521, a bula papal de excomunhão, emitida pelo Papa Leão X. Agora, quase meio século depois desse seu ato revolucionário, a cidade de Roma atribuiu reconhecimento oficial a Martinho Lutero.

“Em 2009, sem o conhecimento de ambas as denominações, a Igreja Adventista do Sétimo Dia e a Igreja Luterana entregaram um pedido à cidade de Roma, requerendo que uma praça da cidade recebesse o nome de Martinho Lutero”, referiu Dora Bognandi, ex-diretora do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista em Itália, com sede em Roma.

Bognandi lutou tenazmente para obter este reconhecimento. “Graças ao compromisso de Dora Bognandi, o importante jornal italiano ‘La Repubblica’ mencionou recentemente que esta iniciativa partiu dos adventistas”, disse David Romano, o atual diretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa em Itália.

No início do processo, o serviço responsável pela infraestrutura das vias urbanas em Roma respondeu positivamente, mas não conseguiu avançar com o processo.

“O Conselho de Igrejas do território romano, do qual os adventistas são membros fortes e promotores sábios, encarregou-se da situação”, afirmou Bognandi. Reunimo-nos diversas vezes com conselheiros municipais e com os serviços responsáveis. Escrevemos várias cartas até que, no fim de 2014, fomos finalmente informados de que o nosso pedido tinha sido concedido e que teria ainda de ser aprovado pela Câmara Municipal.”

Passaram seis anos desde que a Igreja Adventista do Sétimo Dia “avançou para o Capitólio, em junho de 2009, apresentando o seu primeiro requerimento à dedicada Comissão de Roma, no contexto do 500° aniversário da histórica visita de Lutero a Roma”, segundo conta o referido jornal.

A cerimónia de atribuição do novo nome à praça, que se situa perto do Coliseu, realizou-se no passado dia 16 de setembro e contou com a presença de Ignazio Roberto Marino, presidente da Câmara Municipal de Roma, que honrou o evento com a sua presença.

“Penso que este será o lugar onde evangélicos e protestantes se sentirão em casa, servindo para promover importantes atividades”, comentou Bognandi.

Representantes de diversas denominações cristãs, entre as quais a Igreja Católica, e representantes de confissões não cristãs estiveram presentes na cerimónia. Segundo Romano, este foi um momento importante para todas as minorias.

ANN | Ad7 Notícias